Batação

The men rhythmically pulverize sections of vine
Stacks Image 8
Raspação

The women ritually clean leaves
Stacks Image 10
Cooking

In preparing Daime tea, the macerated sections of vine and the leaves
are layered into large pots and covered with water
Stacks Image 14
The mixture of vine and leaves is boiled repeatedly
Stacks Image 22
The Daime extract is periodically poured off to cool and settle
Stacks Image 24
The production of Daime is a very important task that takes place multiple times throughout the year, as demand necessitates. The methods of preparation follow specific rituals sanctioned directly by the mother community of Céu do Mapiá. Each church typically has a stock of raw materials to produce enough Daime for its needs. However, considering that the two plants used in production are native only to the Amazon, Céu do Mapiá is an important center of production for domestic and global distribution. Although the two plants can successfully be grown in other areas of Brazil and the tropical world (Hawaii, for example), Daime is typically exported out of Céu do Mapiá in a highly concentrated gel form.
The process of production is very laborious and time consuming, involving most of the able bodied members. The labor is divided by gender; women pluck the healthy leaves of the Psychotria Viridis plant locally referred to as Rainha (Queen) which is considered the feminine part of Daime that is responsible for the visions (mirações). The leaves are collected in large sacks and later washed extensively to remove dust, spider webs, decay, or other impurities. The clean leaves are then delivered to the Casa de Feitio where only men are allowed to be present. The work typically takes place in silence, although hinarios are sung during certain parts. In Céu do Mapiá this work involved paid labor due to an increased need for Daime that volunteerism was not able to meet. The men are responsible for locating and cutting the Banisteriopsis caapi vine locally referred to as Jagube, which is considered the male part of Daime responsible for the insights. After bringing the harvest back to the Casa de Feitio, the Jagube is cut in foot long pieces, and then the vine is beaten with a wooden mallet in order to soften the fibers and extract the plant juices. During this phase the men typically sing hymnals , and all phases of production are characterized by the occasional consumption of Daime which itself seems to possess certain properties that enable one to commit to a stronger effort for longer periods of time with less fatigue.
In Céu do Mapiá however, the process of Daime production has been somewhat modernized. Due to an increasing global demand, the men that work at the Casa do Feitio are paid, typically around R$100 per day (equaling about $30 U.S. at the time of writing). The women typically in their teens who work in the kitchen preparing meals for the workers do not get paid. The production of Daime takes place numerous times of the year depending on supply and demand, but typically is regular in the summer months to accommodate the many hundreds of Brazilian and foreign visitors that make the pilgrimage to the village each year in June and July. The work begins at the break of dawn and typically lasts well into the night, consuming the labor of up to 12 men. Besides the collection of the two plants, there is an array of preparatory work that needs to be in order before the actual cooking begins. Enough fire wood has to be located in the forest, cut down, dragged by bulls to where they are split by axe into logs and laid in neat piles next to the two massive ovens that will consume up to 120 square feet of firewood in one week-long Feitio session. Then a fire must be started in each of the two 20-foot long ovens that burns sufficiently hot and long that twelve 60-gallon pots can be left cooking simultaneously for days on end. This step is particularly important, for the success of the entire batch depends on the man responsible for maintaining the fire. Also, a few hundred pounds of earth must be dug out of the ground and mixed with water to be made into workable clay which is then used to fill the space between the pot and the oven so as to prevent heat loss. The pots are drained and replaced on the fire up to 9 times which makes for a more potent Daime, and this is all done manually. To meet the growing demand, Jagube is no longer beaten by hand in Céu do Mapiá; a grinding machine is used instead which grinds the plant matter into soft fluff that is placed between four or five layers of Rainha leaves, immersed in water, and then cooked. The work environment is extremely loud due to the constant screaming of the grinding machine, and accidents are frequent due to the nature of the job. I myself witnessed two serious injuries while volunteering at the Feitio; a severe cut to the hand of one man working with the Jagube vine, and a third degree burn to the hand of the man assigned a supervisory role over the production process.

The work is excruciatingly tiring and often involves men from outside of the community. The end result is liquid Daime ready for consumption, and gel blocks of highly concentrated Daime both of which can be maintained without refrigeration. Flying into Amsterdam where ayahuasca is legal is the main route of Daime into Europe. Other areas with tropical climates
such as much of the Brazilian littoral and Hawaii where the two plants can grow successfully produce their own Daime in similar ways. However, according to an interview I conducted with an American member of the Hawaiian parish, the Feitio process there differs in its attention to safer working conditions and cleanliness, as well as the use of modern mechanisms to run the ovens and to transport the massive pots to and from their oven nests, while still maintaining the main Feitio traditions of singing hymnals and the separation of labor by gender. According to my interviewee, special effort is shown to making the production process safe and clean so as not to attract any unnecessary attention from the State which is aware of the production of ayahuasca but has of yet not interfered in any way.
The labor involved in the feitio process is incredibly strenuous and demanding, as much on the men who collect the firewood and materials, and run the ovens, as for the women who provide the meals and pick the leaves, and the livestock that pulls the harvested lumber from the hilly, thick forest.101 Mechanization of the faitio process is still in its crude stages, with the only machine being utilized to speed up the process is a wood chipper that grinds down the Caapi vine, replacing the traditional manner of beating it with a mallet.
O Feitio ou preparo do Santo Daime

O feitio é o “Grande Trabalho da Doutrina”, onde temos a oportunidade de fazer o Daime que vamos tomar. Fazer o Daime é também uma forma de fazer-se a sí próprio.

O Feitio dão Daime obedece rigorosas regras ritualísticas, com máximo respeito, silêncio devoção e esforço físico. Durante o feitio, as mulheres cuidam das folhas, enquanto os homens preparam o cipó.

Diz Alex Polari: “O dia do Feitio do Santo Daime, se constitui talvez no ritual mais importante e festivo da Irmandade, quando praticamente todos estão mobilizados para a realização da Bebida Sacramental que será consumida ritualmente por ocasião das festas do calendário, das concentrações e das curas.” Para a realização do Feitio é necessário, portanto, uma grande união entre os membros da comunidade. Costuma-se dizer que, quando as enormes panelas vão para o fogo, todas as questões, todos os problemas estarão sendo cozinhados e apurados dentro delas, com vistas a serem transmutados e resolvidos.

O trabalho é praticamente ininterrupto para os homens encarregados da pesquisa e da coleta do material. Muitos dias são gastos andando pelo interior da mata para localizar os “reinados”, jardins naturais onde florescem grandes quantidades do cipó ou da folha empregados na preparação da bebida. às vêzes a pesquisa se baseia em alguma informação concreta, de alguém que conhece os espécimes empregados. Ou a indicação é dada pela própria Natureza, no tipo de vegetação e de solo, ou na intuição dos mateiros. Sob o efeito do Daime e em harmonia com a floresta, acontece com frequência que esses homens sejam “conduzidos” até os cipós milenares e os grandes partidos de folha.

O Feitio é uma cerimônia carregada de grande simbolismo espiritual. É a maior prova e o testemunho mais eloquente da idoneidade cultural e da pureza ritual da Doutrina Santo Daime. É um rito que remonta às origens dos povos indígenas que ainda hoje habitam a Amazõnia Ocidental. É a produção de um Sacramento.

Sendo uma festa e um rito iniciático para a produção de um sacramento, exige-se de todos os participantes um grande adestramento físico, mental e espiritual. O Feitio corresponde inteiramente à categoria de um ritual de iniciação, onde os conhecimentos são ministrados de uma forma progresiva, de acordo com a entrega e a capacidade de assimilação de cada um. Nele, a busca da perfeição material conduz à realização da perfeição espiritual. A destreza, a inteligência, a memória e o domínio técnico sobre cada etapa do processo são capacidades essenciais em cada feitor.

São várias as fases do trabalho: localização, corte, transporte, lavagem, catação, raspação, bateção, cozimentos e apuração final do Santo Daime. Cada uma dessa etapas exige bastante familiaridade com determinadas técnicas que vão ajudando a aperfeiçoar a beleza e o rendimento do trabalho. E que, por sua vez, estão relacionadas com o desenvolvimento de certos dons, qualidades e atributos que precisam ser aprendidos com os mais experientes, para que se produza um Daime que traga muita força e luz, completando em nossa miração a transformação pessoal que iniciamos no Feitio. Cada Etapa do processo se complementa na subsequente, sendo as metas finais a harmonia e a perfeição do trabalho.


O feitio envolve várias etapas. Inicia-se com a expedição para pegar o material. Buscar o Jagube nas matas. Conta-se que as pessoas que localizam o Jagube, conseguem vê-lo pelo brilho. Ao chegar no primeiro Jagube, um despacho de Daime, é rezado um Pai Nosso – Ave Maria – Salve Rainha. Então os sobe-se pelo Jagube, até que, pelo peso, ele vai deslizando pelas árvores, até chegar no chão. Geralmente é cortado em pedaços iguais e ensacado. Às vezes vem em fechos. Alguns irmãos dizem que ele é cortado em pedaços iguais (+ou-120cm), para que as mirações sejam iguais.

As mulheres vão catar as folhas, e em seguida limpá-las na Igreja, com os dedos, tirando todas as impurezas de cada folha de Rainha. As folhas são lavadas e trazidas para a Casa do Feitio. Tudo é feito tomando Daime e cantando hinos.

O cipó é raspado e limpo pelos homens na Casa do Feitio. Depois de limpo inicia-se a bateção.Existe um espaço com 12 tocos de madeira em duas filas de seis cada uma com um banco atrás, destinado à bateção. Os homens sentam-se munidos de marretas. Batem e ao mesmo tempo cantam hinos. O Jagube é batido até ficar macerado em fibras. Do outro lado da bateção está a bancada onde o Daime escorre, e a fornalha. As panelas são preparadas com camadas do cipó macerado intercalado com folhas e coloca-se água pura, filtrada.


Dessa primeira panela é extraido o que chamamos de cozimento (mistura da água, cipó, folha). Esse cozimento depois de tirado vai novamente para o fogo numa panela com mais folha e cipó e dessa panela temos o Daime de primeiro grau e assim por diante.Com gambitos (espécie de tridentes de madeira-vide na ilustração) os feitores remexem as camadas de cipó e folha para evitar que a pressão derrame nosso líquido precioso. Quando está no ponto, o feitor dá sinal para a panela ser retirada, e o Daime é escorrido por uma canaleta, até um recipiente,e em seguida será esfriado e acondicionado.

O feitio envolve ainda preparação do barro para ser colocado quando a panela vai ao fogo para não queimá-la dos lados, cortar lenha, cuidar do fogo, limpeza permanente do local, despacho de Daime, e por aí vai. Parece simples o processo, mas o segredo está na concentração, no conhecimento do feitor e de sua equipe, no ponto, no material,e no que o astral determina, para acontecer a magia alquímica de nosso sacramento.

O encerramento acontece com um trabalho na “Boca da Fornalha”, onde as mulheres sobem na Casa do Feitio e juntamente com os homens trabalhando no feitio, cantam um hinário determinado pelo feitor.